Domingo, 18 de Agosto de 2019

Nacional
Terça-Feira, 09 de Abril de 2019, 05h:59

SENADO FEDERAL

Veja quanto gastaram os senadores para circular em Brasília

Metrópoles

Reprodução

Gleisi Hoffmann (PT-PR)

A distância percorrida por 84 carros oficiais do Senado Federal em 2018 foi exatamente de 1.197.666 quilômetros, de acordo com dados obtidos pelo Metrópoles por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI). Entre os senadores da legislatura passada, quem rodou mais em Brasília foi Vicentinho Alves (PR-TO). Também estão no topo da lista Kátia Abreu (PDT-TO), Elmano Férrer (PTB-PI), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e Gleisi Hoffmann (PT-PR), respectivamente.

Para o abastecimento, foram desembolsados mais de R$ 606 mil no ano passado. O gasto já está incluso no contrato de locação com a empresa Quality Frotas, no valor de R$ 8,6 milhões. A vigência é de 2017 a 2020. As informações são do Metrópoles.

Veja, no Leia Mais, os dados do levantamento.

 

O carro destinado ao gabinete de Vicentinho Alves percorreu 38.033 quilômetros. Para manter o tanque cheio, foram necessários 104 abastecimentos, ao custo total de R$ 14.474,18. O gasto seria suficiente para pelo menos 22 viagens de ida e volta ao Tocantins, seu estado de origem.

Conforme as regras internas da Casa, quem faz uso do veículo oficial tem direito a uma cota mensal de 300 litros de gasolina. Os motoristas também precisam ficar num perímetro de 100 quilômetros, tendo como referência o Congresso Nacional. Nos finais de semana, feriados e na ausência dos parlamentares, os carros não devem ficar em circulação, a não ser que haja autorização expressa para isso.

Flagrantes na cidade
O Metrópoles mostrou, neste ano, veículos oficiais em situações que nada têm a ver com a atividade parlamentar. Em março, uma mulher foi vista pegando carona no carro sob responsabilidade do senador Irajá Abreu (PSD-TO), na saída de uma academia de luxo em Brasília. O parlamentar não explicou a situação.

No mês anterior, o veículo destinado ao senador Romário (Pode-RJ) foi fotografado à noite, em frente a um bar na Asa Sul. Na ocasião, a justificativa foi que o parlamentar usou o automóvel para se deslocar até um restaurante onde fez uma refeição.

O uso de carros oficiais é regulamentado pela Lei nº 1.081, de 13 de abril de 1950. No artigo 4º, ela determina que é “rigorosamente proibido” que o veículo seja usado pelo “chefe de serviço, ou servidor, cuja funções sejam meramente burocráticas e que não exijam transporte rápido”, “no transporte de família do servidor do Estado, ou pessoa estranha ao serviço público” ou “em passeio, excursão ou trabalho estranho ao serviço público”.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO